Entre os vinhedos da Nova Zelândia – Revista Sociedade da Mesa Clube de Vinhos

/Por
Daniel Salles

Se você procura um destino para uma viagem focada em vinhos,
mas vai acompanhado de alguém que não dá a mínima para a bebida, considere
seriamente a Nova Zelândia. Em meio a encostas que remetem a filmes como O
Senhor dos Anéis (não por acaso rodado no país), praias cinematográficas e
desérticas, exuberantes vulcões inativos e montanhas cobertas de neve o ano todo,
espalham-se atualmente mais de 700 vinícolas.

Em conjunto, elas colheram 413 toneladas de uvas no ano
passado. Desse total, 73% correspondem à casta sauvignon blanc, o responsável número
1 por incluir o país no mapa dos vinhos reputados. O pinot noir neozelandês,
que tem ganho atenção cada vez maior no circuito global, representa 6,5% da
produção. A exportação é um ingrediente indispensável para a maioria dos produtores.
Com 4,7 milhões de habitantes no país, quase 2 milhões a menos que o Rio de
Janeiro, o mercado interno jamais poderia dar vazão a tanto vinho.

Desde 2014, 90% das vinícolas neozelandesas comercializam
boa parte dos rótulos a quilômetros e quilômetros de distância. No Brasil, por
exemplo. O terroir, favorecido pela brisa do mar e pelos dias bem ensolarados (que
propiciam grandes variações de temperatura), além dos outonos secos, é a
principal explicação para o sucesso dos brancos e tintos mundo afora. Chama
atenção o fato de que o plantio de uvas no país começou efetivamente a tomar
corpo a partir de 1973, na região de Marlborough – as espécies iniciais
remontam a 1830.

A seguir, conheça as vinícolas da Nova Zelândia que não
podem ficar de fora do roteiro turístico. Todas ficam próximas de atrativos
como estações de esqui, campos de golfe e plataformas de bungee jump – para a
alegria daquela companhia que jamais leria esta reportagem.

| 1 | EM
MARLBOROUGH

› Cloudy Bay

Entre_Os_Vinhedos_Da_Nova_Zelândia_RevistaSDM

Fundada em
1985, foi uma das cinco primeiras a apostar em Marlborough, que concentra 76%
da produção do país. Arrematada em 2003 pelo conglomerado de luxo LVMH, dono de
marcas como Moët & Chandon, Krug, Veuve Clicquot, Dom Pérignon, Château
Cheval Blanc e Belvedere, entre muitas outras, a vinícola é uma das conhecidas
fora da Oceania.

Sediada num casarão envidraçado em meio a um gramado com balanços de vime, exporta hoje para 30 países.

› Yealands

Inaugurada
por Peter Yealands no dia 8 do mês 8 de 2008, nasceu com a pretensão de ser uma
das vinícolas mais sustentáveis do mundo. A sede parece uma base alienígena,
com estrutura arqueada. Ela tem isolamento térmico e um dos maiores conjuntos de
painéis solares do país – as turbinas eólicas e a queima da poda das videiras
também são fontes de energia.

Desde a inauguração, a vinícola acumulou 29 troféus e mais de 1.600 prêmios, principalmente graças à uva pinot noir e à sauvignon blanc.

| 2 | EM
OTAGO

› Rippon

Ocupa o 8o lugar na última edição do ranking The World’s Best Vineyards, logo à frente da renomada bodega espanhola Marqués de Riscal, que tem um hotel projetado pelo arquiteto Frank Gehry. Está localizada na região de Central Otago, que concentra apenas 3% da produção de vinhos da Nova Zelândia. À beira do Lago Wanaka, de onde se avistam espetaculares rochedos sempre cobertos de neve, aposta em vinhos biodinâmicos e, principalmente, nas uvas pinot noir, riesling e gewürztraminer.

| 3 | EM
HAWKE’S BAY

› Craggy Range

A segunda região que mais produz vinhos no país é a de Hawke’s Bay, com 9,3% dos vinhedos. É onde fica a sede da vinícola criada por Terry e Mary Peabody. Eleita a melhor do Novo Mundo em 2014 pela prestigiosa revista Wine Enthusiast, aparece na última edição do ranking The World’s Best Vineyards, em 11° lugar. Com 250 acres plantados, o empreendimento se concentra nos tintos de Bordeaux e nas uvas syrah e chardonnay. Destaca-se ainda pelo luxuoso hotel anexo e pelo restaurante, sob o comando do premiado chef Casey McDonald.


Fonte oficial: Sociedade da Mesa

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

Comentários