É preto no branco – Revista Sociedade da Mesa

A grande maioria conhece esta hortaliça de raiz, o crocante e levemente picante “Raphanus sativus”, como rabanete vermelho ou branco. Inusitado é topar com a variedade escura, o rabanete negro. Ou “radis noir”, como dizem na França, onde é bem mais explorado.

Não só pelo baixo teor calórico e alto de fibras e vitamina C: além de maior, mais forte e mais estaladiço que seus irmãos, ele agrega um atraente contraste na decoração dos pratos, geralmente saladas, sopas e lanches. É amplamente cultivado na Rússia, Turquia, Bélgica e Austrália.

Acompanha muito bem carnes, e também pode ser servido amassado, um petisco misturado com manteiga e sal. A arqueologia conta que o rabanete negro já era familiar aos gregos, romanos e egípcios. Aparece em hieróglifos do Templo do Karnak, e parece que fazia parte do menu dos operários de Quéops. Entre os orientais, no entanto, é mais consumido na forma de suco pelas suas propriedades terapêuticas: auxiliar a digestão, a função hepática e tratar afecções respiratórias.

Quando você achar por aí, fica a dica: misture com creme de leite fresco, sal, um pouquinho de pimenta-do-reino, e sirva como entrada crua. Bastante saboroso.

Texto: Spartaco Rodrigues

 

Fonte oficial: http://revista.sociedadedamesa.com.br/2017/06/e-preto-no-branco/

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

16 + 7 =