Quando a gente pensa em viajar pensa logo também em variar o cardápio, certo? Afinal, um dos grandes baratos de rodar o mundo é justamente provar as delícias locais. Por isso, se você já está planejando sua viagem pra Belém , mas não sabe onde comer, a MaxMilhas vai dar uma ajuda e tanto: a gente separou algumas ideias de restaurantes muito legais pra você.

Belém, que fica na região amazônica, tem uma das culinárias mais interessantes do país. Além das frutas, muitas das quais já ganharam adeptos Brasil afora, a cozinha local prioriza peixes, camarões, aves e as muitas ervas, raízes e temperos da região.

Essa diversidade toda pode ser encontrada em vários locais, mas quando chegar lá você vai entender porque não falta onde comer em Belém. Difícil vai ser sair de lá sem querer voltar pra experimentar o que ficar faltando!

Onde comer muito bem: Remanso do Peixe

Eleito várias vezes o melhor da cidade, o Remanso do Peixe é um dos primeiros restaurantes da famosa família Castanho. O restaurante guarda surpresas regionais incríveis, como a caldeirada paraense, feita com camarão, tucupi, jambu e filhote cozido; ou o bolinho de piracuí.

O Remanso do Peixe foi aberto pelos pais do premiado chef Thiago Castanho, que toca a casa junto com o irmão Felipe, assim como outro restaurante, o mais sofisticado Remanso do Bosque. Vale anotar: o Remanso do Bosque foi considerado o 38º dos 50 melhores restaurantes da América Latina pela Revista Restaurant em 2014.

Onde comer? Lá em Casa!

Aberto na década de 70, o Lá em Casa não pode faltar da lista de onde comer em Belém. O local é considerado um dos ícones da cozinha paraense e é uma das muitas opções da Estação das Docas.

Além da vista belíssima da Baía do Guajará, com direito a um pôr do sol espetacular, no Lá em Casa você encontra arroz de jambu, pato no tucupi, tacacá, feijão-manteiga, farofa de piracuru, casquinha de caranguejo e por aí vai. Não dá pra não ir.

Manjar das Garças: onde comer a dois

Viagem a dois? Então imagine um jantar em uma sofisticada cabana de palha suspensa sobre palafitas de ipê em meio a um parque maravilhoso. Pode abrir os olhos, esse lugar existe e é um dos melhores lugares onde comer em Belém.

O Manjar das Garças oferece farto e variado buffet ou opções a la carte (só no jantar). De lá, através das paredes de vidro, também é possível degustar a delícias regionais de Belém apreciando a Baía de Guajará. E ainda tem música ao vivo instrumental durante o dia e voz e violão à noite. Charme puro.

Onde comer comida italiana em Belém

Quer dar um tempinho das regionalidades? Então que tal uma deliciosa comida siciliana? O Famiglia Sicilia oferece não só um ambiente típico italiano delicioso, como pratos pra lá de saborosos.

A casa foi fundada há mais de 40 anos pela mamma Jussara em homenagem ao pai, Giuseppe. Hoje, Fabio e Ângela Sicilia cuidam do restaurante.

Em anexo, a loja Don Viño tem uma carta simplesmente completa pra fazer qualquer harmonização.

E então, gostou das nossas dicas de onde comer em Belém? Mas chegando lá você vai descobrir muito mais lugares incríveis, porque a capital do Pará é uma verdadeira cidade gastronômica!

Já comprou sua passagem na MaxMilhas? Ainda não? Então corre, porque você já sabe: passagem aérea barata você só encontra na MaxMilhas!

Comentários

Fonte oficial: Blog MaxMilhas.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

QUALIFICAÇÃO

Inscritos têm até o dia 17 de fevereiro de 2019 para concluir as etapas dos cursos de Atendimento ao Turista e Gestor de Turismo

Alunos podem acessar plataforma online de dispositivos mobile, como smatphones. Imagem: Divugalção/MTur

Os alunos inscritos nos cursos de qualificação online do Ministério do Turismo devem ficar atentos à data limite para a conclusão dos programas de estudos. O prazo final é no dia 17 de fevereiro tanto para o curso de Atendimento ao Turista, do canal Brasil Braços Abertos (BBA), quanto para o curso de Gestor de Turismo, que, juntos, receberam 36.601 inscrições no ano passado.

O Ministério do Turismo está emitindo alertas para os usuários das duas plataformas, lembrando do último prazo para finalizar os dois cursos. No de Atendimento ao Turista, aberto ao público em geral, podem emitir o certificado de conclusão os que completarem todos os módulos, atingindo 696 pontos. Já na plataforma destinada principalmente a gestores públicos e privados de turismo, a pontuação exigida para certificação é de 429.

Levantamento realizado pelo Departamento de Qualificação do MTur mostra que 1.138 alunos concluíram o curso de Atendimento ao Turista, de 80 horas-aula, e 937 o de Gestor de Turismo, de 50 horas. No total, já são mais de dois mil alunos que completaram o ciclo e podem solicitar nas plataformas online o certificado de conclusão, que equivale ao de um curso de extensão para o BBA e ao de um curso profissionalizante para Gestores.

Os cursos à distância oferecidos pelo Ministério do Turismo são destinados a profissionais que atuam em atividades turísticas ou interessados em ingressar neste mercado de trabalho. O turismo é uma atividade econômica que movimenta mais de 50 segmentos produtivos impactados direta e indiretamente pelo setor de Viagens, com forte potencial e capacidade para geração de empregos e renda.

Pauta e edição: Vanessa Sampaio

Fonte oficial: Ministério do Turismo

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

Santarém ficou conhecida por ter praias de águas cristalinas que lembram as do Caribe. E, assim como a região do continente americano, a cidade paraense exige que o viajante pesquise antes de decidir quando ir.

Porém, ao contrário de algumas partes do Caribe, Santarém pode ser visitada durante o ano inteiro. O que mudam mesmo são as atrações que você encontrará por lá em cada momento.

Saiba mais nesse post!

Afinal, quando ir a Santarém?

Clima

Esqueça a noção de que passamos por quatro estações ao longo de um ano. Em Santarém, acontecem apenas o verão e o inverno amazônicos, que se diferenciam pela chuva. Por isso, é muito importante saber quando ir a Santarém, para aproveitar ao máximo tudo que a cidade tem para oferecer.

O verão amazônico vai de agosto a dezembro e é considerado a estação seca. As temperaturas transitam entre as casas dos 20 e dos 30 graus, com mínimas de 24ºC e máximas de 35ºC.

O inverno amazônico vai de janeiro a julho e é considerado a estação chuvosa. Os índices pluviométricos podem passar dos 120 mm por mês, mas é bem difícil chover o dia inteiro. As temperaturas continuam altas.

Por ficar no coração da floresta amazônica e ser banhada por rios, Santarém é uma cidade bem úmida o ano inteiro. No entanto, também há uma boa incidência de ventos, o que ajuda a refrescar um pouco.

Alta, média e baixa temporada

Embora Santarém conte com alta, baixa e média temporada, cada um desses períodos tem algo de interessante a oferecer. Então, você precisa escolher os passeios que parecem mais atraentes ou visitar a cidade em períodos diferentes!

Alta temporada

A alta temporada em Santarém compreende os meses de novembro a fevereiro. É quando as águas do Rio Tapajós tendem a recuar, revelando uma faixa de areia extensa que os turistas aproveitam bastante.

Certamente, essa é a melhor época do ano para curtir as praias de Alter do Chão. Também é quando há mais ofertas de hospedagem, alimentação e passeios. Mesmo assim, não é tão caro.

Média temporada

Para quem deseja conhecer um pouco de cada lado de Santarém e/ou aproveitar a cidade com mais tranquilidade, os melhores meses para viajar são março, agosto e outubro.

Baixa temporada

Na baixa temporada, que acontece entre os meses de abril e julho, o Rio Tapajós pode subir até 7m. Assim, as praias são escondidas pelas águas e o turismo adormece. Inclusive, os poucos passeios disponíveis costumam ficar mais caros.

Nesse período, uma das atividades mais concorridas é a da floresta encantada. Trata-se de um passeio de canoa entre as copas das árvores submersas em que é possível observar a fauna e a flora. Imperdível!

Eventos

O primeiro grande evento do calendário anual de Santarém é promovido pela Igreja da Paz no mês de julho no Estádio Colosso dos Tapajós. São três dias de música, dança e teatro.

Porém, o principal evento de Santarém é o Sairé, que é realizado em setembro em Alter do Chão. Durante cinco dias, diversas manifestações folclóricas e religiosas animam os turistas. Os preços tendem a aumentar.

Entre os meses de novembro e dezembro acontece o Círio de Nossa Senhora da Conceição, que é considerada a padroeira da cidade. Esse evento é composto por festas e procissões.

Como não poderia deixar de ser, Santarém é uma cidade bastante procurada no Réveillon e no Carnaval. Normalmente, o agito acontece na orla da cidade e, é claro, em Alter do Chão.

Esperamos que esse post ajude você a decidir quando ir a Santarém! Depois é só passar no site da MaxMilhas e comprar as suas passagens aéreas com desconto.

Comentários

Fonte oficial: Blog MaxMilhas.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

PRODETUR+TURISMO

Do total de 126 propostas recebidas, Ministério do Turismo já aprovou e concedeu o selo +Turismo para 92 projetos, que, juntos, somam R$ 4,3 milhões

Por Darse Júnior

Prefeito de Muriaé (MG), Ioannis Konstantinos Grammatikopoulos, e o vereador Carlos Antônio recebem o selo do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. Foto: Roberto Castro/MTur

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, entregou nesta quinta-feira (17) ao prefeito de Muriaé (MG), Ioannis Konstantinos Grammatikopoulos, o Selo Oficial +Turismo para projeto de infraestrutura turística do município. O documento garante prioridade na análise e tramitação da proposta de financiamento junto ao BNDES. A obra, orçada em R$ 14 milhões, prevê complementos de pavimentação na estrada de acesso do distrito de Itamuri ao distrito de Belisário, na serra de Muriaé. O Prodetur + Turismo, lançado há menos de um ano pelo MTur, já recebeu um total de 126 propostas, que somam mais de R$ 5 bilhões para obras de infraestrutura turística, saneamento, montagem de observatórios de turismo, divulgação de destinos e produtos, entre outras.

“O interesse de estados, municípios e da iniciativa privada pelo Prodetur mostra o tamanho do potencial que ainda temos para desenvolver o turismo brasileiro. Esses recursos são fundamentais para melhorarmos o nosso posicionamento num mercado cada vez mais disputado”, comentou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. O Prodetur + Turismo é uma linha de crédito com condições especiais, criada sob demanda para o Ministério do Turismo. Até o momento, os recursos disponíveis são do BNDES (R$ 5 bilhões) e do Banco de Desenvolvimento da América Latina – CAF (US$ 1 bilhão).

Para o prefeito Grammatikopoulos, “esse tipo de ação vai exatamente na linha do compromisso de campanha do presidente Jair Bolsonaro – quando ele falava em Mais Brasil, menos Brasília. Nós dos municípios estamos longe da capital e precisamos de ajuda para acessar os recursos do governo federal”. O gestor público estava acompanhado de comitiva técnica e do vereador Carlos Antônio. Na ocasião, a comitiva convidou o ministro para participar do I Fórum Regional de Turismo, que será realizado em Muriaé ainda no primeiro trimestre deste ano, em data a ser definida.

A obra do município de Muriaé contemplada com o selo +Turismo prevê a pavimentação de 14 quilômetros com trechos de inclinação acentuada que, por não ter asfalto, dificulta a passagem de automóveis, ônibus turísticos e escolares. O local possui, além do Pico do Itajuru, atrativos turísticos como cachoeiras, mirante, roteiros que abrangem fazendas, piscicultura, apicultura e atrativos de turismo de base comunitária, que proporcionam aos turistas a vivência da rotina das comunidades da área rural.

Pauta e edição: Vanessa Sampaio

Fonte oficial: Ministério do Turismo

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

Atualmente, Santarém é o terceiro maior município do estado do Pará. Entretanto, a região já foi uma aldeia dos índios Tapajós e uma vila de colonizadores portugueses.

Em termos turísticos, o que mais chama a atenção em Santarém são as belezas naturais, que são conhecidas no mundo inteiro. Quer saber o que fazer por lá? Então, siga a leitura!

Afinal, o que fazer em Santarém?

Curtir Alter do Chão

Localizado a 40 km do centro de Santarém, o Distrito de Alter do chão é o principal atrativo turístico da região e, inclusive, já foi apontado pelo jornal inglês The Guardian como o lugar que tem as praias fluviais mais bonitas do mundo.

Quando as águas do Rio Tapajós baixam, aparece a Ilha do Amor, que tem areias brancas e águas turquesas. Definitivamente, ela não deve em nada às praias do Caribe, por isso vale a pena conhecer!

Visitar a Catedral de Nossa Senhora da Conceição

Também conhecida como Igreja Matriz de Santarém, essa construção está entre as mais antigas da cidade. Em seu interior, os grandes destaques são os vitrais, as artes sacras e o crucifixo.

Aproveite a visita à catedral para explorar um pouquinho a região onde ela fica. Entre as dezenas de construções portuguesas, destacam-se o Solar do Barão de São Nicolau e o Solar dos Brancos, que têm inspiração árabe.

Ir ao Centro Cultural João Fona

O prédio que abriga o Centro Cultural João Fona é o terceiro mais antigo de Santarém e já foi usado como intendência municipal, sede da prefeitura, salão do júri, câmara municipal e cadeia pública.

No entanto, o grande destaque é mesmo o acervo da instituição, que ajuda a contar a história de Santarém. Os grandes destaques são as cerâmicas e os artesanatos indígenas.

Conhecer a Floresta Nacional dos Tapajós

A Floresta Nacional dos Tapajós convida a um passeio no coração da amazônia. Situada a 50 km de Santarém, ela permite observar a natureza preservada e conhecer as populações ribeirinhas.

Na época das chuvas, o nível do rio sobe de tal maneira que é possível passear de barco entre as copas das árvores. Portanto, também é uma ótima oportunidade para ver a fauna e a flora de perto.

Explorar o Mercadão 2000

Amantes de gastronomia precisam dar aquela passadinha no Mercadão 2000! Por lá, é possível encontrar os principais ingredientes usados nos pratos que compõem a culinária típica do Pará.

Peixes, vegetais, farinhas, temperos e doces são apenas algumas das iguarias que você encontra nos estandes. Inclusive, os melhores restaurantes de Santarém compram os seus ingredientes por lá!

Passear pela Orla do Rio Tapajós

A Orla do Rio Tapajós é considerada o grande ponto de encontro de Santarém. Reserve um fim de tarde para contemplar o pôr do sol, provar os petiscos locais e beber uma cerveja gelada.

Aproveite para seguir o passeio para encontrar o Mirante Tapajós e ter uma vista panorâmica da região. Também é possível observar o encontro das águas claras do Rio Tapajós e das águas escuras do Rio Amazonas. Imperdível!

Aproveitar a Praia de Ponta das Pedras

A Praia de Ponta das Pedras também é bastante reconhecida por sua beleza. Localizada a 35 km do centro de Santarém, ela mistura águas cristalinas e formações rochosas, criando um cenário maravilhoso.

Aproveite a sua ida até lá para fazer outros passeios que valem a pena, como o Lago Preto, o Lago do Tapari, o Lago do Jacaré, o Canal do Jari e a Ilha do Meio. Não esqueça de levar a máquina fotográfica!

Essas dicas ajudaram você a decidir o que fazer quando for a Santarém? Então, passe agora mesmo no site da MaxMilhas e garanta passagens aéreas com desconto!

Comentários

Fonte oficial: Blog MaxMilhas.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

O Pará é um estado de tirar o fôlego com as suas paisagens deslumbrantes e opções de programação para todas as idades. Neste texto, falaremos sobre sua capital, Belém, e contar um pouco mais sobre as vantagens de conhecer a região.

Localizada na região Norte do Brasil, a cidade que atualmente conta com mais de 1 milhão e 400 mil habitantes guarda para os seus visitantes uma história que faz parte do início do país. Sendo assim, os conhecimentos adquiridos ao conhecer esse destino contribuem para o seu crescimento pessoal.

A seguir, vamos apresentar um pouco mais sobre Belém e contar as principais informações que você precisa saber para conhecer a capital do Pará. Vamos começar?

Conheça a história de Belém

A cidade teve o seu início junto com a construção do Forte do Presépio, em janeiro de 1616. Depois, devido ao seu desenvolvimento e a posição estratégica, Belém foi transformada em capital dos estados Grão-Pará e Maranhão, sendo subordinada diretamente de Lisboa, em Portugal.

Considerada o centro da colonização Amazônica, a história da região foi retratada pela população local, fazendo com que a cultura fosse adquirida ao longo do desenvolvimento e o aparecimento de novos moradores.

A economia da região era baseada na agricultura de subsistência e também existiam complementos com atividades de pesca e pecuária, praticadas por habitantes da Ilha do Marajó e da Ilha de Vigia.

No ano de 1650, as primeiras ruas foram abertas, permitindo a expansão da cidade e a chegada de novos moradores.

Uma curiosidade bastante interessante a respeito de Belém é que a capital só reconheceu a Independência do Brasil no dia 15 de agosto de 1823, quase um ano após a declaração. Isso aconteceu devido ao grande espaço territorial ocupado pelo Brasil e a dificuldade de locomoção entre as cidades, principalmente em um período onde as regiões de mata fechada prevaleciam e ainda não existiam estradas.

Descubra qual o principal atrativo da cidade paraense

São muitos os pontos turísticos disponíveis para quem deseja conhecer Belém, contudo, uma das características que mais agradam os visitantes está presente por toda a cidade: a arquitetura com ares europeus em plena região Norte do Brasil.

Devido à grande influência dos colonizadores europeus no desenvolvimento de Belém, as construções da cidade remetem às antigas casas encontradas nas ruas de Portugal.

Com isso, os turistas podem aproveitar o cenário colorido para tirar fotos ou admirar os antepassados responsáveis por criar essas estruturas há tanto tempo e com poucas ferramentas.

Existem inúmeros motivos para visitar Belém, no entanto, um bom roteiro para conhecer mais sobre a sua história é visitar a Praça da República e o Teatro da Paz.

Saiba quais pontos transformaram Belém em um destino especial

Com tantos anos de história e acontecimentos, não faltam pontos turísticos na cidade para que os visitantes possam conhecer um pouco mais da trajetória que é contada em cada esquina.

Sendo assim, é preciso elaborar um roteiro de viagem antes de embarcar para a cidade. Dessa maneira, você garante as visitas aos principais locais e ainda consegue programar melhor os passeios.

Anote as nossas dicas abaixo e prepare-se para uma experiência histórica e inesquecível em Belém.

Basílica de Nossa Senhora de Nazaré

Ela foi construída em 1909, exatamente no mesmo local onde o caboclo José Plácido encontrou uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré em 1700. Atualmente, essa representação fica no topo do altar da Basílica, sendo protegida por um vidro blindado.

Uma curiosidade a respeito dessa construção é que ela é a única basílica localizada em toda a região da Amazônia. O endereço para visitar o local é Viela Nazaré, 1300 no Bairro Nazaré, próximo ao Parque da Residência.

Estação das Docas

O antigo porto fluvial de Belém foi transformado, em 2002, em um dos complexos turísticos mais famosos do estado do Pará. Hoje, no local, é possível encontrar uma variedade de opções gastronômicas, lojas, espaços para eventos e atrações para todas as idades.

São cerca de 500 metros de extensão com construções realizadas à beira da baía do Guajará e que comportam toda a sua estrutura em três armazéns divididos da seguinte maneira:

  • Boulevard das Artes;
  • Boulevard da Gastronomia;
  • Boulevard das Feiras e Exposições.

Cidade Velha

Ideal para os fãs das construções históricas e da arquitetura europeia, a região conhecida como Cidade Velha transmite aos visitantes toda a cultura construída em Belém durante o desenvolvimento da capital.

Quem gosta de fotografia pode explorar as casas coloridas para registrar a paisagem. Além disso, é possível encontrar artesanato e exposições nas ruas. Portanto, quem deseja aprender um pouco mais da história de Belém não pode perder a oportunidade de visitar a Cidade Velha.

Anote as principais atrações para os turistas

Agora que já citamos os pontos especiais, não podemos deixar de contar um pouco mais das outras opções de lazer, entretenimento e gastronomia que fazem com que Belém se destaque ainda mais no cenário nacional.

  • Museu Emílio Goeldi: esse ponto turístico garante uma experiência cultural indescritível e ainda preserva um pedaço da Amazônia em seu centro;
  • Baía do Guajará: existem inúmeros passeios de barco que possibilitam ao turista uma vista imperdível da paisagem em Belém. A nossa dica é aproveitar o fim de tarde para incluí-los na sua programação;
  • Espaço São José Liberto: ideal para os turistas que desejam comprar artesanatos e joias, fazendo com que o espaço unifique a cultura com comércio, movimentando a economia local;
  • Mercado Ver-o-Peso: quer ver de perto como funciona a rotina dos moradores em Belém e ainda poder comprar comidas típicas, provando alimentos preparados na hora? Então, essa é a programação ideal para incluir na sua viagem.

Pesquise a melhor estação para viajar

A posição geográfica de Belém proporciona um privilégio único para quem gosta do clima tropical úmido, com calor praticamente o ano inteiro. A temperatura na cidade é bastante equilibrada, com mínimas de 22º graus e máximas de 33º durante todas as estações.

Assim como a maioria das cidades na região Amazônica, o que classifica as estações de verão e inverno são as chuvas, mais presentes entre os meses de janeiro e maio.

Prove os principais pratos típicos

Por fim, um dos destaques da capital do Pará: a culinária impecável. Sem dúvidas, a gastronomia de Belém é um atrativo à parte para os turistas. Ela conta com receitas que utilizam, principalmente, os frutos-do-mar.

Separamos os pratos típicos que mais aparecem nos restaurantes e que você não pode deixar de provar:

  • Pato no Tucupi: essa receita deliciosa pode ser encontrada em diversos estabelecimentos e geralmente é acompanhada de arroz e farinha branca;
  • Tacacá: parecido com um caldo quente, o prato é preparado com Tucupi, goma da tapioca, camarão seco e jambu;
  • Açaí: o Pará é o principal estado do Brasil que produz o fruto utilizado, contudo, você não encontra as mesmas receitas com leite condensado, granola e banana. Em Belém, o açaí é consumido em pratos salgados, geralmente com peixe-frito e farinha d’água;
  • Casquinha de caranguejo: o caranguejo é encontrado com facilidade nas receitas do Pará, por isso começaram a surgir diferentes pratos, incluindo a casquinha, que é servida de maneira parecida com a casquinha de siri.

O tempo não para e as férias já estão quase batendo na porta. Por essa razão, não perca tempo e comece a preparar as malas para a sua viagem com destino a Belém agora mesmo! Sem dúvidas, os seus dias de folga vão ser inesquecíveis e cheios de histórias para contar na volta para casa.

Gostou da ideia maravilhosa de conhecer o Pará? Então, continue a sua visita em nosso blog e veja a nossa publicação sobre como encontrar passagens aéreas promocionais e prepare a sua viagem!

Comentários

Fonte oficial: Blog MaxMilhas.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

ENOTURISMO

Por dois meses, a cidade celebra a colheita da uva com uma grande festa que valoriza a cultura italiana e a tradição da uva e do vinho na região

Por Geraldo Gurgel

Parreirais são vistos por toda parte na cidade, inclusive no Caminho de Pedras, uma das principais rotas turísticas locais. Foto: Renato Soares/Banco de Imagens MTur Destinos

É época de comemorar a colheita da uva. O fruto que se transforma em vinho gera o principal produto turístico de Bento Gonçalves (RS). Os parreirais estão carregados de uvas, esperando os turistas que ajudam na colheita e participam das celebrações. É a Estação Vindima, que começa oficialmente nesta sexta-feira (18) e vai até o dia 18 de março, período mais quente do verão na Serra Gaúcha. A programação dos próximos 60 dias reúne eventos públicos e privados que vão desde a colheita simbólica e a pisa das uvas, a apresentações culturais, gastronomia típica e jogos italianos.

No dia 10 de fevereiro, por exemplo, será realizada a 6ª Maratona do Vinho, com “Vino Stops” para celebrar a safra da uva. Os corredores percorrem 42 km com pausas para quem quiser repor as energias com os produtos da estação: uva, suco, vinho, pão, queijo, salame, músicas e danças típicas. Hotéis, vinícolas e restaurantes oferecem pacotes promocionais com atrações paralelas para atrair ainda mais visitantes em busca de bons vinhos e mesa farta da gastronomia italiana, além de SPAs que oferecem tratamentos de beleza com substâncias extraídas da uva.

O enoturismo faz de Bento Gonçalves um dos destinos mais importantes da Serra Gaúcha. Para o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, a região que é o berço da vitivinicultura do Brasil uniu vocação e inteligência de mercado com resultados que se tornaram modelo no Brasil. “Não é só o vinho, nem só a gastronomia e nem só a história. O destino é uma verdadeira imersão na cultura herdada dos imigrantes e oferece uma experiência completa”, avalia.

A cidade é reconhecida como a ‘Capital Brasileira da Uva e do Vinho’. A região foi a primeira do Brasil a obter a indicação internacional de procedência para os vinhos produzidos com Denominação de Origem do Vale dos Vinhedos. Algumas vinícolas oferecem hospedagem e alimentação, agregando valor à cultura da uva e do vinho. Os turistas têm o privilégio de se hospedar em um cenário único, entre os parreirais, sentindo o aroma das uvas no verão, além de participar da colheita, degustando vinhos e espumantes com o selo da casa, harmonizados com pratos da cozinha italiana e gaúcha. A pé, de bicicleta ou em um quadriciclo, visitantes também refazem roteiros como o Caminhos de Pedra, onde a história, a gastronomia e a arquitetura dos imigrantes italianos são vivências legítimas.

DESDE A CHEGADA – Quem entra em Bento Gonçalves passa pelo Pipa Pórtico, o cartão de visita da cidade, que lembra um barril de vinho com 17 metros de altura. Um passeio pelo centro leva o turista a conhecer as marcas deixadas pelos imigrantes italianos, com suas tradições e costumes. No centro da cidade, a Via del Vino concentra casas históricas e monumentos, entre outros atrativos que despertam o interesse dos visitantes. Conheça também o Monumento aos Imigrantes Italianos, o Museu do Imigrante com cerca de dez mil itens e a Igreja de São Bento, em formato de barril de vinho.

MARIA FUMAÇA & VINHO – A viagem a bordo de um antigo trem a vapor é uma das mais tradicionais da Serra Gaúcha. O percurso de 23 km entre Bento Gonçalves e Carlos Barbosa, com pausa em Garibaldi, é feito em duas horas. Durante o passeio, os turistas degustam vinhos, espumantes e sucos das uvas produzidas na região. A viagem conta com grupos de teatro, música e dança que mesclam as culturas gaúcha e italiana.

27.07.2018 enoturismo capa
Região foi a primeira do Brasil a obter a indicação internacional de procedência para os vinhos produzidos com Denominação de Origem do Vale dos Vinhedos. Foto: Roberto Castro/MTur

Edição: Vanessa Sampaio

Fonte oficial: Ministério do Turismo

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

DATA COMEMORATIVA

Celebração, que acontece há 246 anos, é considerada a segunda principal manifestação popular do estado, marcando os ritos pelo Dia do Nosso Senhor do Bonfim e o aquecimento para o Carnaval de Salvador

Por Geraldo Gurgel

Ao fim da lavagem das escadarias, turistas amarram no braço fitinha de lembrança do Senhor do Bonfim ou amarram-as nas grades de proteção da igreja, junto com seus pedidos ao santo. Crédito: Márcio Filho/MTur

O carnaval é somente em março, mas em meados de janeiro já se ouvem os toques dos tambores que aquecem o verão de Salvador. Um dos principais marcos desse “esquenta” é a tradicional lavagem das escadarias da Igreja do Nosso Senhor do Bonfim, ritual que é a cara da cidade: mistura o sincretismo religioso ao caráter festivo que só a Bahia tem.

A Lavagem do Bonfim, que começa às 10h desta quinta-feira (17), é a segunda maior manifestação popular do estado, atrás apenas do próprio carnaval de Salvador. O cortejo de 8 km, puxado por baianas do candomblé vestidas em trajes típicos, começa na Igreja da Conceição da Praia e passa pelas ruas do Comércio e Cidade Baixa, seguido por grupos religiosos, artísticos, culturais, famílias e milhares de turistas. É comum, ainda, a participação do público que está embarcado em escunas e lanchas distribuídas pela Baía de Todos os Santos.

A caminhada termina na Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, na Colina Sagrada, onde os vasos com água de cheiro – conduzidos por baianas vestidas de branco, usando turbantes, saias engomadas, braceletes e colares – são despejados sobre a escadaria. O branco é a cor de Oxalá, o Deus Yoruba sincretizado como o Senhor do Bonfim da Igreja Católica. Já o traje oficial do público, o ‘kit lavagem’, conta com camisa e boné brancos e garrafinha de água para hidratação. Após a visita, o turista costuma amarrar uma fitinha colorida no braço como lembrança ou deixá-la nas grades de proteção da igreja, junto com seus pedidos ao santo.

O feriado, que atualmente reúne uma multidão estimada em mais de um milhão de pessoas, só perde em movimentação e agito para o carnaval. O ato ecumênico é realizado ao som de cânticos afro-religiosos desde 1773, quando os escravos foram obrigados a lavar a igreja, pela primeira vez, preparando o local da festa. Posteriormente, os seguidores do candomblé adotaram a Lavagem do Bonfim como parte do ritual das Águas de Oxalá, mas por imposição da igreja, as portas eram fechadas e o ritual saiu de dentro do templo, ficando restrito ao adro e escadarias. Já a devoção ao Senhor do Bonfim vem desde 1754, anterior à construção da igreja, quando a imagem de Jesus Cristo crucificado chegou à Salvador, na época a capital do Brasil Colônia, trazida pelos portugueses.

SAGRADO E PROFANO – Após a lavagem, a festa popular continua com batucadas, comidas e bebidas típicas no Largo do Bonfim, entrando pela noite nas ruas e clubes de Salvador. Vários eventos públicos e privados comemoram a data com muita música e axé, como a tradicional Enxaguada do Bonfim, comandada por Carlinhos Brown.

A festa religiosa, iniciada no último dia 10, só termina no domingo (20), dia de Nosso Senhor do Bonfim. A data da comemoração é móvel e sempre ocorre na segunda quinta-feira após o dia dos Santos Reis, celebrado no último dia 6.

Edição: Vanessa Sampaio

Fonte oficial: Ministério do Turismo

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

A marca Martin’s Pick Up é dedicada a Peter Martin Sawrey, que foi, por mais de 40 anos,
o homem que assumiu o trabalho de entregar os melhores vinhos produzidos na propriedade de Angaston, no Barossa Valley, para as empresas locais e para os habitantes da cidade.

Conta a lenda que, quando as pessoas
da cidade ouviam o som característico
da caminhonete de entrega dos vinhos
se aproximando, elas corriam para as suas portas para comprar os vinhos de Peter Martin Sawrey.

Por isso, e compondo com criatividade e beleza a homenagem ao comerciante, os vinhos Martin´s Pick Up têm no seu rótulo, uma arte vintage e minimalista da pick up de Sawrey, desenhada como um tributo
à longevidade e confiabilidade conquistada há tantos anos. Recentemente, a pick up foi substituída
por um carro mais moderno, para atender à demanda crescente pelos vinhos da “Estate Wines”.

Mesmo assim, a pick up de Peter Martin Sawrey continua sendo um clássico, que representa a tradição
e qualidade dos vinhos de Barossa Valley, com a linha de vinhos Martin’s Pick-up, da qual apresentamos, neste mês, o Martin’s Pick up Shiraz 2017, para nossos associados. Bom desfrute a todos.

Fontes: Wineaustralia.com e Estate Wines.

Texto: Paula Taibo

 

Fonte oficial: Sociedade da Mesa

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

Santiago é uma daquelas cidades maravilhosas, cheias de coisas pra fazer, programas incríveis e uma ótima cozinha local. No cardápio, muito peixe, frutos do mar que só se encontra por lá e o famoso cordeiro patagônico, entre muitas outras delícias. Só de pensar já abriu o apetite, mas não sabe onde comer?

Relaxa, aqui na MaxMilhas a gente faz de tudo pra que sua viagem seja top: da passagem aérea barata às melhores dicas de onde comer.

Então pode comprar sua passagem e fazer as malas, porque se depender da gente, sua viagem vai ser pra lá de gostosa: será gastronômica! Pronto pra embarcar nessa trip?

Onde comer em Santiago: conheça as diferenças de costumes

Antes de mais nada, é legal ficar a par de algumas diferenças entre lá e cá. Então comecemos pelos valores: comer em Santiago não é exatamente barato. Equivale aos preços de capitais como Rio ou São Paulo.

Por outro lado, também não tem buffet (comida a peso) ou pratos para 2 ou 3 pessoas. Lá é tudo individual, o que também acaba afetando no valor da refeição.

Mas calma, pra quem quer economizar a dica é aproveitar o menu do dia para o almoço nos restaurantes. Com entrada e sobremesa, fica em torno de 6 a 8 mil pesos. Aí é só fazer a conversão pra ter uma ideia mais exata.

Agora sim, onde comer em Santiago

A costa chilena é imensa, por isso os peixes e frutos do mar são destaques na culinária. Mas há muita carne, vegetais, muito milho,  abacate e as famosas parrillas, claro. Aproveite os melhores lugares onde comer e desbrave todos os cardápios!

Patio Bellavista

Pra quem tá chegando e não sabe bem onde comer, o Patio Bellavista é ideal. No local, que é um centro comercial, há uma verdadeira seleção de restaurantes e bares variados, além de algumas lojas pras comprinhas depois do almoço. É uma boa amostragem inicial do que encontrar em Santiago.

Como Água para Chocolate, Azul Profundo e Galindo

A brasileirada adora, particularmente, 2 restaurantes: o Como Àgua para Chocolate e o Azul Profundo, ambos bem pertinho do Patio Bellavista.

Mas se você quer mesmo é beber aquela gelada acompanhada de alguns dos mais tradicionais pratos e petiscos chilenos, não tem outra: a pedida é o Galindo.

Lá, na sempre lotada esquina da Dardignac 98 com Constitucion, você vai poder saborear delícias locais como pastel de choclo, empanada de pino, machas ou um belo lomo (bife).

Uma viagem no tempo: Peumayen Ancestral Food

Considerado top em Santiago, o Peumayen Ancestral Food é ideal pra quem não sabe onde comer a comida chilena de verdade.

A casa é especializada em comida ancestral, com produtos e ingredientes que faziam a cozinha dos primeiros ancestrais do Chile.

O resultado? Basta dizer que é considerado um dos melhores restaurantes do país desde que abriu as portas em 2013. A dica é começar com a  degustação com língua de cordeiro, atum, polvo etc.

Então, vale conferir de perto. Fica no Bellavista, também na Constitucion, mas só abre pra jantar de terça a sábado. Domingo, por outro lado, é só almoço.

Liguria: onde comer pra quem só quer ficar nos petiscos

Se a ideia é ficar só nos petiscos, qualquer um dos 3 endereços do Liguria serão uma ótima pedida. A decoração é maneiríssima e o lugar encanta tanto visitantes quanto locais.

Tem pratos chilenos e italianos, mas a especialidade são mesmo os tira-gostos, como pastel de choclo, salada com queijo de cabra quente e o sanduba Barros Luco, com pão, carne e queijo.

E então, deu água na boca? Ou ficou mais difícil ainda escolher onde comer em Santiago? Claro que você vai chegar lá e descobrir muitos outros lugares incríveis da gastronomia chilena, então não perca tempo!

Compre agora mesmo sua passagem aérea na MaxMilhas e voe rumo a Santiago!

Comentários

Fonte oficial: Blog MaxMilhas.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.