A doce Cora – Revista Sociedade da Mesa Clube de Vinhos

De tempos em tempos, Cora Coralina é tema de oficinas gastronômicas. Nem todos sabem, mas ela foi, além de poetisa contista, uma doceira de mão cheia até os últimos dias. Seus doces glaceados, de abóbora e de figo, eram famosos.

Muito dessa alma cozinheira foi parar no papel. No poema “Antiguidades”, a autora relembra o bolo da infância. Em “Todas as vidas”, declara: “Vive dentro de mim/a mulher cozinheira/Pimenta e cebola/Quitute bem feito/Panela de barro/Taipa de lenha/Cozinha antiga/toda pretinha.

A goiana rompeu estruturas arcaicas para transformá-las em força de vida e trabalho, versos recheados de luta, paixão e inspiração. Em cada encontro, as integrantes da Associação Mulheres Coralinas leem um poema de Cora e discorrem sobre ele, agregando valor com a poesia ao artesanato que produzem.

Bolsas de tecido bordadas com frases da poetisa são as mais procuradas e vendidas.

Texto:Fábio Angelini

 

Fonte oficial: Sociedade da Mesa

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Locomotiva Viagens. Lembramos ainda que o Locomotiva Viagens é um site jornalístico, que apenas divulga as promoções de passagens aéreas, ele não vende nenhum produto ou serviço. Você deve comprar na empresa de sua preferência, sempre observando as regras de cada passagem.

Comentários